5 de set de 2011

MEU AMOR MAIOR

Quase tudo o que acontece em minha vida envolve o número sete.
A história começa com a data de nascimento: mil novecentos e setenta e sete.
Aportei nesta cidade em dezessete de abril.
Primeiro dia de aula na faculdade: sete de outubro.
Como não poderia ser diferente, minha formatura, momento mágico, dezessete de outubro.
Não posso listar tudo o que acontece em torno do número sete.
Isso não cabe em minha memória.
Quantas surpresas eu terei ainda?
E o encontro com meu amor maior?
Será que envolve o número sete?
Sigo a lógica das datas.
Em dezessete de agosto ouvi, pela primeira vez, uma voz que não mais sairá da minha mente.
Em vinte e sete de agosto, os anjos ou o destino guiaram-me ao encontro da minha alma gêmea.
Mas que alma gêmea é essa que me faz sofrer?
Envolve-me e vai embora.
Sem avisar, você invade meu pensamento e por horas e horas penso em você.
Quase morro de saudades.
De repente reaparece, enlouquece-me.
Envolve-me novamente e me deixa sem palavras.
Não consigo expressar meu sentimento de amor que é único, puro, intenso, verdadeiro...
Observo-o por inteiro.
Observo você sentado naquele banco.
O brilho do seu olhar é como o brilho das estrelas.
Os cabelos grisalhos, quase brancos.
Esta é a marca de que o tempo passou.
O copo continua feito escultura, na mais perfeita forma.
Sinto seus braços que me envolvem como se fosse a primeira vez.
Sinto seu corpo, seu perfume, suas mãos delicadas.
Solto meus cabelos compridos e espero um beijo seu.
Por um instante, sinto que o sonho de tê-lo em minha vida vai ficando para traz.
E como não poderia ser diferente, tudo se acaba em dezessete de setembro.
Volto um último olhar para o ipê amarelo e florido.
Em frente a casa, flores amarelas enfeitam o chão.
Dali vou embora sem falar quase nada.
Restando apenas a mais doce lembrança.
Do meu amor maior.
Autora: Deneide T. de Carli

Nenhum comentário:

Postar um comentário